quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

GLOSSÁRIO DA BURGUESIA PAULISTA



















Há anos tento entender essa espécie de gente preconceituosa e sem noção, que vota no Maluf e está o tempo todo pagando mico na TV com declarações bombásticas sobre ciclovias e pessoas pobres. Não foi nada fácil. Depois de muitos anos, o que consegui foi esse glossário. Já ajuda em caso de comunicação.

Pus na primeira pessoa para dar um "enhance" na "xperience", quando ler pode imaginar a voz do Boris Casoy narrando. Como eles diriam, “enjoy”:

- AMOR – Vide o verbete “dinheiro”.
- BRASIL – Essa gente diferenciada de fora de São Paulo. Venha, amor, não se misture com essa gentalha. Gentalha, gentalha!!!
- GENTE DIFERENCIADA – O povo brasileiro. Em nossos bairros, somente uniformizados e com crachá, por favor.
- NÃO É GENTE – O povo imigrante boliviano. Fabricam nosso vestuário chique longe dos condomínios de luxo, só queremos ver o produto já limpinho e passado na vitrine da loja.
- METRÔ – Meio de transporte da gente diferenciada. Circula por debaixo da terra, muito adequado isso.
- CICLOVIA – Detestamos. Um incômodo para quem anda de salto alto e precisa estacionar carro importado. Além disso, com ela, gente diferenciada pode circular acima do chão, o que é anti-estético, e quase anti-higiênico.
- ARTE – Vide o verbete “dinheiro”.
- DASLU – Mais que uma loja, um estilo de vida. Preços estratosféricos, sonegação de impostos, descaminho de mercadorias e falência fraudulenta. Deveria abrir uma maternidade para a gente já nascer lá!
- DINHEIRO – O sentido da vida, individual e coletivamente.
- ENSINO DE QUALIDADE – Vide o verbete “dinheiro”.
- COLETA DE ÁGUAS PLUVIAIS – Vide os verbetes “Jardins” e “Higienópolis”.
- JARDINS – Bairro que, a todo custo, tentamos manter sem gente diferenciada.
- LIXEIRO – O mais baixo na escala do trabalho, serviço típico de gente diferenciada. Um mal necessário, mas só deveriam trabalhar de madrugada e em silêncio.
- HIGIENÓPOLIS – Vide o verbete “Jardins” só que mais a sério, de preferência sem metrô.
- NEGROS – Vide o verbete “gente diferenciada”. Nossos restaurantes têm instruções precisas quanto às crianças dessa cor.
- GAYS – Um outro tipo de gente diferenciada. Só são aceitáveis em salões de beleza. No máximo, estilista também pode. Se andar em nossas ruas tem que disfarçar, senão apanha.
- LÂMPADA FLUORESCENTE – Material altamente versátil. Depois de finda sua vida útil, serve para espancar gays sem sujar as mãos.
- MANIFESTAÇÃO PÚBLICA – Coisa de gente que, além de diferenciada, é desocupada. Se começar a incomodar, vide o verbete “polícia”.
- MORADOR DE RUA – Algo entre “gente diferenciada” e “não é gente”. Inaceitável na porta do nosso condomínio. Se começar a incomodar, vide o verbete “polícia”.
- NORDESTINOS - Vide o verbete “gente diferenciada”. Um capacete de obra é bom, disfarça o crânio achatado.
- POLÍCIA – Serve para manter a gente diferenciada em seu devido lugar.
- ROTA – Serve para desovar a gente diferenciada em qualquer outro lugar.
- POLÍTICA - Vide o verbete “dinheiro”.
- SKINHEADS – Juventude ativa, fazem o serviço sujo por nós.

sábado, 31 de dezembro de 2011

Em 2012 quero retomar isso aqui. Devagar que seja.

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

Mandei...

Mande você também para seu distrital preferido, ou para todos.

"Prezado Deputado Wasny,

"Foi com muito constrangimento que recebi a notícia de que apóia a implantação de rodízio de automóveis no DF. Constrangimento porque votei no senhor e pedi a vários amigos que fizessem o mesmo. O rodízio foi implantado em São Paulo por um governo de direita reacionária e corrupta (Celso Pitta), sem disposição para enfrentar os interesses de grupos empresariais que lucram com a ineficiência do sistema de transporte público. O único efeito do rodízio em São Paulo foi criar um mercado intenso de carros usados e envelhecer a frota por causa de sua valorização.

"A realidade urbana do DF é extremamente complexa e a medida apenas servirá para atrapalhar a vida da população que mora nas áreas mal servidas pelo transporte coletivo - ou seja, todas. Além das cidades principais do DF, que já são mal servidas por um transporte coletivo de péssima qualidade, a medida inviabilizará a vida das centenas de milhares de pessoas que moram nos diversos condomínios em todo o DF.

"A discussão da mobilidade urbana tem que ser feita de forma adulta, técnica e racional, e não com bravatas e medidas de figuração que querem passar para o cidadão a conta de uma situação que foi criada por ineficiência governamental, e pela total indisposição dos governos de todos os partidos para indicar gente técnica para administrar as decisões importantes de urbanismo e transporte no DF.
Sugiro fortemente que V.S. converse com seu colega de partido, Chico Leite, e contribua para elevar o nível do debate sobre a mobilidade urbana do DF - em vez de ir na onda de quem o torna raso, implantando medidas para penalizar o cidadão, como rodízios e taxas em estacionamentos públicos."

sexta-feira, 25 de março de 2011

terça-feira, 4 de janeiro de 2011

Globo corta Edir Macedo da transmissão da posse de Dilma

Sinistros acordos levaram ao apoio escancarado da Igreja Universal, e mais discreto da Rede Record, à eleição de Dilma Roussef. Naturalmente, sou a favor dessas coisas, é o tipo de situação que faz o mundo parecer um jogo de intrigas tão fascinante e grosseiro como os seriados policiais dos anos 70.

Mais divertido ainda é a Globo pensar que ainda pode ditar o conteúdo visto pelas massas, como fazia antigamente. Na posse, no momento dos cumprimentos à nova presidente, estavam no fim da fila o Bispo Macedo e seus fiéis executivos televisivos. Se a Globo pelo menos quisesse disfarçar, cortava a transmissão antes dessa parte da cerimônia, mas... cortou bem no meio, antes de aparecerem no vídeo os executivos da Record, e depois que apareceu o representante da Igreja Católica (deve ser um cara importante para quem liga para isso, mas da minha parte só reconheci por ser um gordinho de saia preta e chapéu vermelho).

Não tinha nenhum executivo da Globo na fila dos cumprimentos. Mas o Macedão foi o único que não se deslocou até a Dilma, e sim, a Dilma foi até ele. Moral total. Vi com meus olhos, mas segue o link da notícia no final, para quem não acredita que profissionais éticos e probos como Ali Kamel e a família Marinho sejam capazes de promover tal tentativa tosca de manipulação.

Fazer uma enquete sobre o que é pior, a associação Globo/Católicos, ou Record/Igreja Universal, é de dar medo. Mas dava um bom filme "B".

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

ESTOU VIVO, FILHOS DA PUTA

Aos 102 anos, arquiteto Oscar Niemeyer se lança em carreira musical

Uma semana atrás, o mundo foi surpreendido com o anúncio de uma nova obra de Oscar Niemeyer. Em vez dos famigerados edifícios de formas curvas, o arquiteto enveredava, agora, pela seara musical.

Niemeyer acabava de lançar "Tranquilo com a Vida", um samba de raiz, feito em parceria com seu enfermeiro, Caio Almeida, e com o músico Edu Krieger. Aos 102 anos, parecia o momento ideal para iniciar uma nova carreira.

A canção --que estará disponível dentro de uma semana no site da Deckdisc-- fora composta um ano antes, durante o período em que o arquiteto foi hospitalizado, para uma cirurgia no intestino. Distante das pranchetas, Niemeyer depositou sua verve criativa na letra, que diz: "Hoje em dia minha vida vai ser diferente/ Calça de pijama, camisa listrada, sandália no pé". O enfermeiro Almeida se encarregou da melodia.

Edu Krieger --filho do compositor e maestro Edino Krieger-- conta que a música foi abandonada até que, meses atrás, recebeu uma gravação, "a cappella", cantada pelo enfermeiro (Krieger é amigo de Caíque Niemeyer, bisneto do arquiteto). "Coube a mim colocá-la na métrica e compor a segunda parte", explicou.

Krieger diz que, ao ouvir o resultado final, Niemeyer ficou inseguro. "Mas, no dia seguinte, deu carta branca para que eu a mostrasse a outras pessoas." O músico não propôs nova parceria. "Seria abusivo. Já estava bom demais assim."

Fonte: Folha UOL


Música: Tranquilo com a vida

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

Que formato merda!

Umas belas dumas bostas as entrevistas com os candidatos à presidência no Jornal Nacional e, dessa vez, não por culpa do semblante assustador de todos eles. A cagada foi um formato de entrevista de 12 minutos que mais parecia inspirado no Twitter. Não houve uma única fala que não fosse interrompida pelo casal-addams Bonner & Fátima, ou mesmo uma única vez que um candidato conseguisse completar um raciocínio com o mínimo de respeito e serenidade - pelo candidato e pelo público. Houvesse pelo menos alguma sinceridade nos entrevistadores, poderia ao menos ter sido mais engraçado que deprimente:

- "Desculpe, candidato, mas agora é a vez dos anunciantes. Cale a boca porque agora entra o comercial de carro coreano"

ou

- "Vai logo senão atrasa a novela"

ou ainda

- " You message is too long. Maximum 140 characters only"

Não vou linkar essas merdas. Quem quiser que procure essa bosta na net. Ainda vale citar o candidato das sofridas massas proletárias, o bacaníssimo Plínio de Arruda Sampaio, cujo senso de ironia - que exala do total descomprometimento com a vitória - rende as melhores passagens. A Globo não foi besta e, ao contrário dos demais, com ele fez a entrevista gravada. Já se devia prever o óbvio: a primeira lapada foi contra a própria Rede Globo, que só lhe concedeu três minutos.

Ao menos Marília Gabriela voltou ao ar e continua fazendo entrevistas com a mesma classe fasanística de sempre. Um alívio em meio à mediocridade que impera no eterno febeapá. Claro que, como se trata do SBT, nada pode ser totalmente classudo e já teve um barraco com a Warner pelo pagamento dos direitos da música de abertura. Mesmo assim, aceito.

segunda-feira, 19 de julho de 2010

TV e você, nada a ver

Há quem veja na televisão, corretamente que seja, uma forma de dominação do sistema, a voz do establishment. Sendo-o ou não - certamente já o foi mais que hoje - espanta-me menos suas débeis - atualmente - tentativas de produzir consenso, que sua capacidade de decepcionar-me, e minar a já pouquíssima fé que deposito no jornalismo brasileiro.

Ontem assistia o notíciário de uma importante rede de TV aberta de manhã cedo. O apresentador muito se orgulha da emissora ser a única do DF a possuir um helicóptero, cujo nome infame brada a plenos pulmões sempre que vislumbra a oportunidade:

- Estamos aqui no Áááááááááguia do Cerrado trazendo a melhor informação, cruzando os céééus em busca da notícia.

Notícias essas que usualmente são tão relevantes quanto a que divulgou ontem, com a habitual interferência do som da hélice:

- A EPTG (importante via do DF) está com o trânsito parado, porque o sinal está fechado.

Sim, sinais de trânsito mudam de verde para amarelo e vermelho, e nesse momento, os carros páram. Incomoda-me profundamente pensar nos custos envolvidos para produzir e transmitir conteúdo televisivo quando a mensagem atinge esse nível. Certamente não vai ser esse tipo de gente que me influenciará na hora de decidir o voto.

E a TV a cabo não é tão melhor, não. Desisti da assinatura quando notei que a diferença fundamental era zappear por cinquenta canais, em vez de dez, para não encontrar nada que preste. Milhares de seriados e documentários que acabam se tornando repetitivos combinavam-se com a repetição desertificante dos filmes nos canais de filmes. Quando vi-me assistindo pela terceira vez o mesmo filme "B" de produção própria apenas para passar o tempo, entendi que era uma boa cancelar a assinatura. Certamente vale mais a pena investir o dinheiro em cinema e vídeo.

Acho que a mídia brasileira está acomodada, precisando de uma sacudida, isso certamente é um trabalho para a Buldozer Corporation. Aguardem o próximo capítulo.

quinta-feira, 15 de julho de 2010

Harvey Pekar - *08/10/1939 +12/07/2010



Meu primeiro contato com American Splendor foi em uma rápida apresentação, piratíssima, publicada pelo Laerte na antiga - e magnífica - revista "Piratas do Tietê" nos anos 90. Pioneiro nos quadrinhos sobre o simples cotidiano, no seu caso ironicamente denominados "American Splendor". Mesmo para os que não tem interesse em quadrinhos alternativos, vale no mínimo assistir ao filme sobre o cara,"American Splendor" , que saiu aqui como "Anti-herói Americano". Em locadoras decentes, se acha.

terça-feira, 22 de junho de 2010

quinta-feira, 3 de junho de 2010

@buldozer_corba

Agora, estamos no twitter, para manter tão atualizado quanto o Buldozer. Lindo.

segunda-feira, 26 de abril de 2010

Esplanada-favela

A Esplanada dos ministérios está precisando de uma intervenção no padrão "favela-bairro". Está uma onda tal de montar lona ali que mais parece um assentamento do MST. Fosse ao menos algo político fazia sentido, mas porra nenhuma. Éum tal de vôlei de praia (por que não jogam na beira do lago?), vila de papai noel, parada Disney, evento de igreja... e tudo é desculpa para montar estrutura um mês antes e desmontar um mês depois. O mundo é dos pedras mesmo...porra.

domingo, 18 de abril de 2010

Desfile da Disney no aniversário de Brasília

Certamente, é uma excelente forma de celebrar a vitória da brasilidade que foi a construção de Brasília e a mudança da capital. Só nos resta, acho, aproveitar a oportunidade de um protesto bem humorado, e comparecermos em massa vestidos de irmãos Metralha!

quarta-feira, 24 de março de 2010

A calvície está na moda.

Prenderam um careca por oferecer milhões, que não deveria ter, a quem não deveria oferecer. Agora, a disputa presidencial será decidida entre uma múmia careca e uma mulher careca. Acho que vou raspar a cabeça, ao menos. Quem sabe me promovem.

sexta-feira, 12 de março de 2010

PUTA SACANAGEM

Mataram o Glauco. Filhos da puta.

domingo, 14 de fevereiro de 2010

MARCO CIVILIZATÓRIO

A simpática cidade de Tiradentes, em Minas Gerais, proibiu na marra e por decreto o Axé e o Funk no carnaval desse ano. Duvida? Então veja a notícia:

http://carnaval.uol.com.br/2010/album/tiradentes_14022010_album.jhtm?abrefoto=3

Sinto que tivemos o espírito de nossa idéia copiado:

A REVOLUÇÃO CULTURAL BRASILEIRA (2003)

sábado, 13 de fevereiro de 2010

treconologia

Chegamos em um ponto em que é possível atualizar um blog cagando em um banheiro público. Não reparem se a qualidade do conteúdo passar a refletir essa nova realidade.

domingo, 31 de janeiro de 2010

Boris...traga-me ratos.

Nosso leitor Zé atendeu ao chamado dos bravos e trouxe conteúdo ao Buldozer. Surpreendentemente bom, por sinal. Está convidado para a equipe fixa, camarada. Aguardo seu e-mail.

Aos leitores, esclarecemos que o texto abaixo é uma obra de pura ficção. Não acreditamos que o protagonista, na vida real, goste de prostitutas, ou qualquer mulher. Nem que tenha fibra o suficiente para atos de cropofagia.

O velho Boris Casoy olhava enojado para baixo, aquela manicure pobre, vinda da periferia, lhe fazendo as unhas dos pés. Fazia esforço para não vomitar, imaginando a ralé, aquela sujeira, aquele modo de vida precário. Procurava se distrair pensando em coisas boas, na garrafa de Bourdeaux que tomou acompanhado daquelas prostitutas francesas... brancas, de olhos azuis como os mares gregos, a pomposa Europa, ah, a Europa! Mas esse sonho fora interrompido.

- O sinhô tá com uma unhinha encravada aqui, eu vô tirá, tá?

Se controlando para não esbofetar a pobre mulher, respondendo com o menor desdém possível:

- Trate de tirar o mais rápido possível e termine logo isso!

A vontade era de espancar a mulher e fazê-la beber sua urina e comer suas fezes. Sim, é isso o que a ralé merece da elite branca, do topo da sociedade. Mas a sua reputação estava um tanto abalada, havia dito algo que não devia na televisão, e precisaria passar algum tempo comportado até o povo esquecer de tudo, como sempre.

Ao término do serviço, a moça, humildemente, diz:

- Sinhô Boris, são 10 Real o serviço, mas num precisa pagá, não. O sinhô sempre defende os pobre na tevê.

Uma mulher alheia aos acontecimentos, Boris imaginava se haviam mais pessoas que não sabiam de nada, mas resolveu sair logo daquela situação ojerizante.

- Se não vai cobrar nada, então sai daqui que vou apresentar programa daqui a pouco!

A mulher saiu meio assustada, aos gritos do velho. Boris então chamou um dos estagiários do camarim.

- Você, moleque, cadê as manicures da elite?
- Senhor Boris, não havia nenhuma disponível, sei como o senhor odeia apresentar o programa com as unhas compridas, então tratei de arrumar uma o mais rápido possível.
- ... ah, é? Está certo, está certo... Que seja... Não há problemas, então. Volte pro que estava fazendo.

Boris liga para seu assessor.

- Fabiano, que merda esses estagiários estão fazendo? Me colocando em contato com pobre?
- Olhe, seu Boris...
- Porra! Eu quero demitir esse estagiário!
- ... pois não. Só dizer o nome dele.
- E eu lá sei nome de gentalha, porra? Se for pra ser assim, demite logo todo mundo que ele vai no meio. De pobre a gente não tem pena.
- ... pois, não, senhor. A demissão está a caminho.

Mais tranquilo, Boris observava no espelho o seu rosto coberto de quilos de maquiagem, estava cada vez mais difícil e penoso esconder a feiura, mas a elite branca não pode aparecer feia. Isso seria um ultraje, uma contradição à superioridade da elite. A preocupação de Boris é interrompida pela secretária que bate à porta.

- Que foi? Não vê que estou ocupado?
- Senhor Boris, há uma dupla de sujeitos querendo vê-los, mas eles são tão... "mal-encarados".
- Dupla de sujeitos mal-encarados? Ah, só podem ser os capangas daquele filho da puta! Vieram trazer a propina. Sorte dele, as eleições estão aí e eu já tinha preparado um discurso pra fuder aquele pilantra todinho. Parece que vou ter que rabiscar uns elogios aqui... Porra, logo antes do programa começar! Manda logo eles entrarem, tô sem tempo!

De cabeça baixa, rabiscando falsos elogios, nem percebe a entrada dos sujeitos.

- Senhor Boris...
- Tô sem tempo, seus merdas! Deixem o dinheiro aí e vão embora! E é bom que esteja certinho, senão o chefe de vocês vai ter que chupar pica de vereador pra se sustentar.
- Não viemos aqui para isso.

Boris se vira enfurecido, não por ter seu dinheiro negado, mas por ter sua vontade contrariada pela ralé. No entanto, se espanta. Ambos os sujeitos estão vestidos de laranja, em uma espécie de uniforme público. O primeiro tinha altura média, corpo muito magro, estilo anoréxico, traços femininos grotescos, cabelo comprido mal penteado e fumava um cigarro Charm. Sua farda estava cortada de forma a parecer um biquini e um shortinho. O segundo era um negão com traços femininos mais grotescos ainda, sua calça estava intacta, mas a parte superior da farda exibia um tórax forte e peludo, ainda assim brilhoso. O negão possuía pouco mais de 2 metros de altura, braços musculosos e carregava uma enorme mala. O menor tomou a palavra:

- Seu Boris, a gente somos garis lá do porto, e veio desejar um feliz ano novo pessoalmente pro senhor. Abre a maleta, Princesa! Tira os brinquedinhos, boba!

Boris grita:

- O que está acontecendo aqui? Seguranças!

- Agarra ele, Princesa! Tranquiliza o velhinho!

Princesa, com seus braços musculosos, não tem dificuldade em imobilizar Boris e injetar nele uma espécie de paralisante.

- Eu ainda não me apresentei, gato. Meu nome é Stephanie e minha amiga é a Princesa. A gente somos muito fã do senhor e ficamos muito felizes de ver como o senhor gosta da gente. Então, viemo retribuir esse amor. Não te preocupa, essa injeção vai só te paralisar, ainda vai dar pra sentir nosso amor todinho.

Princesa tira uma enorme vassoura da maleta.

- Ai, Stephanie, eu vou testar em mim, primeiro. Ahhhhh...
- Que isso, boba. Assim vai sujar tudo de merda.
- E não é melhor assim?
- Tem razão.

o cabo da vassoura estava repleto de fezes pútridas e polpudas.

- Agora prova um pouco, vovô... Isso... Bem no fundo. Nossa que apetite! Olha só, Princesa! Ele tá lagrimando! Deve estar chorando de felicidade! Vamos dar mais amor pra ele!

Enquanto Princesa preparava uma nova porção do que chamava de "palitinho de chocolate", Stephanie se agarrava com Boris, agora nu, pressionando-lhe com força os testículos.

- Esse troço não endurece, não? Ô, cozinheira! Prepara logo teu aperitivo e traz um Cialis aqui.

Depois de mais um suculento palitinho de chocolate (dessa vez, indo bem mais no fundo, quase na boca do estômago), Princesa resolve surrar o velho com sua vassoura.

- Não, Princesa! Depois! Cadê o Cialis?
- Já dei pro velho.
- E demora assim? Esse daí tá caidaço, mesmo!

As duas desabam na risada, até que o remédio finalmente surte efeito.

- Agora, pega a Mocréia!

Os olhos do Boris tremulavam de medo.

- Calma, fofo. Mocréia é a nossa moréia. Dentes bem afiados, aquele choque bem gostoso, foi pega lá no interior do Amazonas, dessas que só um caboclo Josemar se garante pegar. Princesa! Bota a Mocréia pra mamar no pintinho do velho, bota.

- Ai, Stephanie, será que é uma boa idéia? Faz 3 dias que a Mocréia não come.

- Vamo ver, né, santa!

Mocréia e Boris rapidamente ganharam intimidade, com a boca gelatinosa e afiada do peixe rasgando pouco a pouco o pênis do velho, cada mordida acompanhada de um leve esguichar de sangue.

- Steph, o programa tá pra começar!

- Ai, sim. Vamo apressar, santa. Dá uma alargadinha nele, dá.

Princesa tira o pênis pra fora, revelando ter 18cm. Utiliza todo o seu estilo bruto para dar uma poderosa encarcada em Boris, o que dura singelos cinco minutos. O velho praticamente suspirava de alívio, quando Stephanie interviu.

- Não ia ser tão mole assim, né, gato?

Stephanie tira seu pênis para fora, revelando ter 29cm, fora vários acúleos conseguidos após uma longa sessão de body modifying. Pelos acúleos escorriam vários fluidos internos do pênis da moça.

- Vovô, olha só a aids fluindo pra fora, tem pra dar e vender. Mas prefiro dar. Vira de costas!

Por dez minutos, Stephanie fez o seu serviço, rasgando totalmente o ânus do velho, depositando cada molécula do virus da aids. Enquanto isso, Princesa tirava fotos e castigava Boris com um chicote sado-masô de cinco pontas.

Um assessor de Boris vem chamá-lo para o programa e encontra a cena. Stephanie toma a palavra.

- Que foi, meu amor? Você não deve questionar o gosto sexual do senhor Boris. Ele sempre gostou disso, e hoje em dia é super normal.

- Exatamente, ele nos pagou inúmeras vezes para virmos fazer isso com ele. O que vocês vão fazer?

O maior alvoroço ocorreu pelo estúdio, um aproveitador repórter freelancer aproximou-se das garis.

- Venham cá, er... "moças". Quer dizer que o Boris Casoy curte essas coisas?
- Sim, amor. Quer umas fotinhas pro seu jornal? Princesa, dá as fotos pra ele!
- Porra, vai dar uma manchete e tanto!

A Globo e a Record não perdoaram, ao retratar a Band como um antro de putaria. Acuada, a emissora demitiu Boris Casoy e nenhuma outra queria contratar alguém tão doente quanto ele. Perdeu casa e foi abandonado pela família, amargurando de aids pelas ruas, dormindo embaixo de um viaduto. Seu corpo morto foi encontrado na noite de ano-novo, por dois garis.

- Olha esse defunto, aqui.
- Que barbaridade, isso é uma vergonha.
- Bora botar ele no caminhão, melhor que apodrecer por aí.
- É, quero ir logo pra casa. Tenho minha família e ceia me esperando.
- Eu também! Feliz ano novo!
- Feliz ano novo pra você também!

sexta-feira, 1 de janeiro de 2010

Pobre desejar felicidades? Para Casoy, isso é uma vergonha!!!



E os âncoras de TV de ultradireita - que nem de jornalistas deveriam ser chamados - são, eles sim, o mais baixo na escala do trabalho.

Chamar Boris Casoy de viado filho-da-puta seria uma ofensa grave aos boiolas e aos pobres dos filhos das moças do calçadão, então deixo de fazê-lo. Em vez disso, vejo o lado bom do acontecido: agora, todos já sabem a peça que esse falso sempre foi. Caiu a máscara, aliás acho que essa é a vibe dos tempos atuais.

Quem tiver estômago para a reportagem completa e o pedido de desculpas, é só clicar aqui. Infelizmente, não devem demitir esse bosta: precisam de gente sem pudor de sujar as mãos, para fazer algum tipo de cobertura parcial e grotesca das eleições.

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

NERDS SE INFILTRAM NOS LUGARES MAIS IMPROVÁVEIS...


Não é surpresa para ninguém que a divisão de cavalaria da PM seja truculenta, psicótica e sem noção. Mas eu nunca imaginaria que eles pagariam o mico de trucidar manifestantes com roupinha de Darth Vader!!! Deve ter um nerdão muito do mal fazendo esses modelitos para eles... e seja quem for que aprovou, não fica atrás. As fotos mostram alguns momentos mágicos da intervenção da PM, no combate à manifestação para derrubar nosso governador picareta e seu espírito natalino.








Link para as fotos originais: UOL

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

ROBIN WILLIAMS CHEIRADÃO DETONA BRASIL



- I LOOOVE YOUR SHOOOOW! I LOVE THIS SHOOOOOOOOOOW! I'VE GOT A RESERVATION FOR EIGHT O'CLOCK!!!!!!!
- Easy, easy...
- GEEET OOOFF!!!!

Grita merda sem parar, corre pelo palco e pula na cadeira se provocado. Ficou claro o destino do "1/2 quilo de pó".

domingo, 29 de novembro de 2009

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

PARABÉNS, DUBAI! - e Brasília é a próxima


"A cada minuto nasce um trouxa"


Quitinetes de quinhentos mil reais? Apês de três quartos por mais de um milhão? Como diria MrManson , idiotas compram.

"Qualé, Corba?! Tu tá plantando pegadinha na turma de fora de Brasília! Ninguém seria imbecil o suficiente para pagar meio milhão numa quitinete!"

Arrã. Então clica aqui e leia a informação oficial.

A gente não deseja que o mercado se arrebente, mas estou certo de que não são as pessoas que compram imóvel para morar que pagam meio milhão numa salinha de trinta metros que nem perto do centro vai ficar. Boi Gordo, Avestruz, Derivativos, Dubai... e, em breve, Noroeste.

domingo, 22 de novembro de 2009

HOJE! - O Galinha Preta, no Festival de Cinema de Brasília




Mais uma requintada produção do cinema brasiliense. Feito pela diretora Cibele Amaral, com participação do Lauro Montana no elenco. Parece que vai ser bom. Sinopse oficial:

Baseado no conto O Trabalho do Galinha Preta de Evandro Vieira. Nessa comédia de ação, Galinha Preta e Lapão são convencidos por Jerônimo a assaltar a igreja onde ele trabalha como tesoureiro, durante um evento gospel. Para completar a quadrilha, contratam Nildinha, uma strepper e Japonês, que será o motorista na fuga. Eles têm sorte... mas nem tanto.

Serviço: HOJE, Domingo, 16h30 no Cine Brasília (107/106 Sul) - Entrada gratuita

Para quem se interessar, eis o link para a Programação completa do 42º Festival de Cinema de Brasília (2009)

UPDATE: Quem estava lá viu o que aconteceu. E, dessa vez, incrivelmente, a culpa não foi do Lauro. Força, mano! Leva na fibra, na raça.

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Pena que não é em Buenos Ayres...



Robôs gigantes e discos voadores destruindo tudo. Por quê? Ora, porque sim. Se isso não for um clássico, não sei o que poderia sê-lo.

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

ZOMBIE WALK - SP 2009

Um evento que reúne fãs de filme de terror, e eventualmente fãs de bagunçar um pouco as coisas no espaço público. A movimentação aconteceu no dia de finados, 2/11, no centro de SP. Arrastando-se da Praça do Patriarca até a Praça Roosevelt, centenas de sem-noção vestidos de zumbi caminharam aterrorizando os adultos e arrancando risadas da molecada. Descobri a parada por acaso, à deriva em SP, quando eu vi a cambada reunida no metrô Anhangabaú. Na mesma hora, mandei às favas a programação original para acompanhar o evento. Pena que eu não sabia, teria ido à caráter também.

As fotos que tirei focam mais a turma se movimentando do que os figuraças em si, no fim do post pus um link para fotos mais focadas nas fantasias. Confiram as nossas:


Concentração no metrô Anhangabaú


Azaração zumbi


Presença de celebridades(1)


Presença de celebridades(2)


Desconcentração no metrô Anhangabaú (1)


Desconcentração no metrô Anhangabaú (2)


Desconcentração no metrô Anhangabaú (3)


Desconcentração no metrô Anhangabaú(4)


Pirataria Zumbi(1)


Pirataria zumbi(2)


Saída da Praça do Patriarca


Bandeira e estandarte!


Presença de celebridades(3)


Feriadão da família paulistana


Feriadão da família paulistana(2)


...ao ataque


Umbrella


Profissionais de saúde


Rednecks zumbi


Em marcha(1)


Em marcha(2)


Em marcha(3)


Em marcha(4)


Zumbis e as leis de trânsito: uma relação complicada


Invadindo a rua dos Satyros


Go to the light and never come back


Concentração na praça Roosevelt(1)


Concentração na praça Roosevelt(2)


Freddie x Jason


Fibra!


Al Qaeda zumbi


Solidão zumbi


Ataque(2)

Mais fotos:
link 1 - link 2 - link 3 - Fotos 360

quarta-feira, 4 de novembro de 2009

Teaser do novo filme de Lauro Montana



Esse tá com cara de que vai superar tudo o que ele já aprontou. Pelo menos visualmente já dá para ver que tá duca, o diretor André mandou bem. Para quem não conhece o Lauro, clique no link abaixo:




E para matar a saudade, "Nada Consta". Não é do Lauro, mas é um dos curtas brasilienses bacanas que já vi. Parece que o 2 já está pronto, mas não achei o link.

sábado, 31 de outubro de 2009

Noite das Bruxas com MASSACRATION

Vídeo:

O evento épico aconteceu numa casa de São Paulo chamada Trash 80's, cuja a proposta é muito clara: "fazemos o nosso melhor para trazer o pior para vocês!". É, eles com certeza mandam bem nisso. Trouxeram, para a noite das bruxas, nada menos que a banda de heavy metal mais pesada do mundo: MASSACRATION. Desloquei-me até São Paulo só para trazer a cobertura da megaapresentação para o público do BULDOZER, o blog mais arrastado no universo. Seguem as fotos, devidamente comentadas:

ABERTURA

Antes do início do show em si, enviaram uma trupe infernal para preparar o público para a vibe do METAL:





O SHOW:


A banda, mostrando fibra e atitude


Detonator, o ultra vocalista, em uma pose heavy metal clássica, muito copiada por Bruce Dickinson


Virtuose do METAL!


O show continua...





...e o público segue fiel no espírito do METAL!



OS FILHOS FAVORITOS DO DEUS METAL!