sexta-feira, 28 de outubro de 2005

TRÊS ANOS DE BULDOZER



Ontem o Buldozer completou três anos de existência. Esse post comemora esse aniversário, e o fará contando um pouco mais sobre si mesmo.

1) Por que “Buldozer”? Porra de nome idiota!

to bulldoze: intimidar, amedrontar; aplainar terra com motoniveladora

bulldozer: motoniveladora, trator usado para aplainar terra, trator-lagarta

Dicionário Escolar de Oswaldo Serpa

Um bulldozer é uma espécie de trator usado para terraplanagem e nivelamento de terra. Nas intervenções urbanas, é um verdadeiro ícone de máquina usada para destruir tudo que está pela frente...os israelenses adoram usá-las em assentamentos palestinos. À época de seu surgimento, eu havia terminado na Universidade uma disciplina de Urbanismo, onde o professor explicava pacientemente que, para intervir em uma área, devíamos respeitar o seu patrimônio histórico, ouvir a opinião da comunidade local, preservar a natureza e fazer intervenções pontuais. Após isso tudo, quando no meio do semestre chegou o momento do exercício acadêmico de projeto, propus inicialmente a derrubada do centro histórico da pequena cidade de Luziânia-GO, o nivelamento da área e a construção de edifícios ultramodernos de 80 andares no local. A idéia não vingou (o chato do professor não deixou), mas a partir daí o nosso grupo de trabalho passou a se denominar “buldozer”, e foram mantidas algumas propostas, como arrancar uma grande árvore em uma praça histórica e substituí-la por uma estrutura metálica, fazer túneis para ajudar a fluidez do trânsito local, reformular toda a praça central da cidade aumentando a área de estacionamentos...coisas do tipo. Isso inspirou o nome do blog, Buldozer (escrevi errado à época: agora já era), que tem por objetivo “fazer a terraplanagem dos politicamente corretos”.

2) De onde veio essa merda? Por que um blog? Vocês não tem coisa melhor para fazer, não?

O surgimento do Buldozer se deu, basicamente, pelo meu desejo de falar merda na Internet, e a escolha do sistema de blog, por ser uma ferramenta mais acessível aos não-iniciados no mundo do webdesign. Eu e o Reinaldo tínhamos uma outra homepage, a “Gordoscult HP”, montada no sistema de página tradicional de internet, mas a total dependência de amigos webdesigners fazia o projeto praticamente inviável. O Reinaldo optou, à época, por apenas reclamar e ficar puto com nossos amigos, à medida que os mesmos nos davam canos e nos enrolavam (quem gosta de trabalhar de graça?). Eu, como de costume, pensei “fodam-se”. Descobri o formato de blog no Cocadaboa, que indicou o “falecomdeus”, através do qual conheci o “Rê Ticências” e o “Jesus me Chicoteia”. Pesquisando, descobri que o sistema de blog era operável por comuns mortais, e resolvi ver o que dava para fazer sozinho.

Por que sozinho? Porque sabia que o Reinaldo ia dizer que “blog é coisa de menininha de 15 anos que quer contar para os amigos como faz para se masturbar” (como efetivamente disse). E ainda diria que só faz qualquer coisa se for para fazer direito, que todos os templates-padrão do Blogger eram uma merda, que tem que achar imagens legais para começar, que tem que convencer fulano que saca pra caralho a ajudar a gente, que o vibrador dele estava quebrado e não estava inspirado para fazer porra nenhuma, ...enfim, a página não ia sair nunca. Eu pensei então “se ficar uma merda, foda-se, depois eu arrumo”. Cadastrei-me no blogger, escolhi um template-padrão tosco e publiquei o Buldozer com um texto de abertura que havia originariamente sido escrito para publicação na Gordos Cult HP: o “Porque resolvi virar playboy”. O template, efetivamente, ficou uma merda. Divulguei-o apenas para os amigos, e contatei, então, a Rê Ticências lá no Rio, através de seu e-mail, pedindo ajuda na mais pura cara-de-pau. Ela se dispôs a ajudar (anjo), e me ensinou a fazer as coisas mais básicas, como inserir figuras e instalar comentários. O que eu não consegui fazer, mesmo com explicações, ela foi lá e fez por si mesma. Uma bruta força.

O texto gerou algumas reações imediatas nas pessoas: ódio, indignação, admiração. Uma longa polêmica sobre o assunto foi gerada (e devidamente publicada). Foi quando percebi que tinha algo bacana acontecendo ali. Com o tempo, entraram e saíram do blog uma penca de colunistas: Reinaldo, Daniel, Demetrius, Luiz, Igor, Priscila e Barman Infiernal. Nos divertimos muito sacaneando, através do blog, as mais diversas figuraças de Internet e da vida: pegamos no pé dos indies em geral, de defensores de cotas em universidade, dos Dean Fox, da banda Lion Heart, da banda Savanah, dos webmasters do festasembrasilia e do Candango...de toscos de todos os tipos, enfim. Após, fizemos propostas para o país através da Buldozer Corporation, acompanhamos a ascensão de Lauro Montana ao status de celebridade tosca, fizemos crônicas escrotas sobre os mais variados assuntos, etc. Considero o blog atualmente um sucesso: com o tempo, fomos convertendo seu tosco visual original em um template agradável (ainda baseado em um padrão do blogger); temos leitores que acompanham o blog de forma sistemática; acima de tudo, conseguimos transformar isso aqui em uma ferramenta de tosqueira e diversão.

3) Afinal, quem diabos são vocês?

Eis os postadores que permaneceram (nos agüentar não é fácil):

Leo Corbusier e Reinaldo, o Bruto:



Amigos desde moleques, nunca fomos muito normais. Com nove anos, na quarta série, desenhávamos histórias em quadrinhos retratando surubas entre diretores, professores e funcionários da nossa escolinha. Quando adolescentes, só gostávamos de filmes como “Pulp Fiction”, “Assassinos por Natureza” e “Cães de Aluguel”, ou qualquer outro com elevadas doses de sangue e humor negro. Comemoramos a morte dos Mamonas Assassinas. Conseguimos juntar a turma de amigos mais figura de que se tem notícia, gente como Lauro Montana e Barman Infiernal, para terem uma idéia.

Barman Infiernal:


Amigo meu das antigas, que conheci no segundo grau. O cara já foi coroinha, metaleiro, fã do Roberto Carlos e até ambulante da Feira do Rolo (o rapaz já foi o maior traficante das revistas Hustler e Cherry do DF!). Atualmente é funcionário público e líder das salas de chat do Terra. O Barman tem muita história grotesca para contar, mas ele tem medinho de queimar o próprio filme. O cara é um bundão...fazer o quê, né?

Igor – The Mustache Rider:



Já mudou tanto de curso superior que nem sei mais o que está fazendo agora. Deixou Brasília há alguns anos e é um colaborador distante do blog. Ex-cabeludo, ex-músico, ex-clubber, temos esperança ( a última que se suicida) de que um dia ele volte a postar alguma coisa por aqui .

Priscila:



Gostaria de dizer que ela é a alma feminina do blog, o contraponto de delicadeza e sensibilidade às nossas tosqueiras, mas eu estaria mentindo. Nada de internetês e emoticons fofinhos: Pri é rock’n’roll!

Cida e Lauro Montana:

Eminências pardas aqui do Buldozer. Não estão cadastrados como postadores, mas suas histórias já causaram os mais diversos efeitos nos nossos leitores , desde explosões de riso até ânsias de vômito.

P.S.: Sim, esse post é uma versão editada do comemorativo de um ano do blog, babaca atencioso. Achou ruim? Acha que, em vez de aproveitar os arquivos, eu deveria usar minha criatividade para te entreter com novidades? Acha que é algum tipo de “membro vip” porque acompanha o blog há muito tempo? Bem, sorte que eu não estou preocupado com isso: se quiser achar alguém pra satisfazer seus desejos, procure um puteiro.