quinta-feira, 23 de outubro de 2003

Êxodo



E aí bigodada? Este é meu primeiro post e para começar vou contar da minha saída de Brasília. Para quem não sabe ou não me conhece, desde julho de 2001 moro aqui em S. José dos Campos - SP, cidade que, entre outras coisas, é pólo aeronáutico do país por ter aqui instituições e empresas como ITA, Inpe, CTA, Embraer, etc.

Começando a história vou dizer porque saí de Brasília. Primeiro por que casei (sim, é verdade !) e não queria minha família me enchendo o saco e se metendo na minha vida. Segundo porque para trabalhar na minha área (informática) aqui é bem melhor e terceiro porque estava de saco cheio de Brasília. Estava de saco cheio das pessoas que sempre reclamam de tudo mas não fazem nada diferente, da seca, do calor, de não ter nada pra fazer e de ir nos lugares e sempre ouvir os mesmos DJs de merda tocando os mesmos CDs de sempre na mesma ordem (os góticos adoram fazer isso - mas este é um assunto para um futuro post: porque as mulheres góticas são vadias - aguardem!).

Após uma extensa pesquisa escolhi esta cidade e vim, com toda minha mudança dentro do carro e com a grana apenas para a viagem, comida para 7 dias + hotel por 5 dias. Não conhecia ningúem aqui, mas aqui estamos nós, eu e minha mina (ops! esposa).

Chegando aqui foi que concluí finalmente que eu era um ser de outro planeta (por outro planeta entenda-se: bsb). Tudo por aqui (e no resto do Brasil) é diferente. Primeiro choque: localização. Neste ponto Brasília é fantástica (tentaram fazer isso em goiânia, mas como goiano é burro, não deu certo), todas as ruas certinhas, quadras numeradas, setores de tudo (até o Setor de Áreas Isoladas, que quando eu contei aqui todo mundo achou muito engraçado). Aqui é a maior zona, tem até rua que dobra a esquina [!]. Me perdi um monte de vezes andando de carro por aqui. Muitas vezes estava numa rua e errava uma entrada, daí pensava: "tudo bem, basta entrar na próxima e voltar." Que nada: entrava na próxima e caía num lugar totalmente diferente. O pior de tudo foi quando conseguimos uma casa para alugar (no segundo dia). Fomos deixados na casa pelo proprietário e saímos para fazer compras, mas na volta não sabíamos voltar. Nem imaginam a merda que deu: não saber onde é sua casa.

Outras diferenças em relação a Brasília: as mulheres aqui são menos frescas que as minas candangas, aqui ninguém pára na faixa (dirigindo já tomei muitas buzinadas e andando quase arrancaram meu pé), aqui você vai aos lugares e consegue estacionar seu carro, não existe só uma tripinha ridícula de vagas nas comerciais, mas também tem que pagar pra tudo.

Agora que já passei pelo período de adaptação, estou gostando daqui, é perto de tudo (50 min da praia, 1h de São Paulo, 3,5 h do Rio - se bem que não sou louco de ir lá, 50 min de Campos do Jordão, etc) e aí percebi que em Brasília estava realmente ilhado. Já fiz até vários amigos (um deles é uma espécie de mistura entre o Reinaldo e o Lauro - com o lado bizarro de cada um - imagine só). Ah sim, antes de eu me esqueça, aqui no começo quando eu chamava alguém de bigode ou pedra, ninguém entendia, mas agora estes termos "homórbidos" já se espalharam pela cidade toda e já existe até um verbo: bigodar (ter atitudes toscas contra alguém). Sinais da globalização ...

É isso, aguardem meus futuros posts, talvez nem sempre bem-comportados como este.

Igor, The Mustache Rider.